Reputação é uma das principais causas da adesão ao ESG

Pesquisa da Amcham com quase 700 executivos mostra que aumentou o número de empresas que adotaram práticas sustentáveis, mas desafios ainda são grandes

Redação Reputation Feed

Pilar social é prioridade para 72% dos executivos consultados – Foto: Pexels

O cuidado com a reputação corporativa é uma das principais motivações das empresas brasileiras para adotarem práticas ESG, aponta pesquisa da Câmara Americana de Comércio para o Brasil (Amcham) em parceria com a Humanizadas. As organizações estão aderindo à agenda porque buscam ter um impacto mais positivo em questões ambientais e sociais, disseram 78% deles; querem fortalecer a reputação no mercado, afirmaram 77%; e têm a intenção de fortalecer a relação com os stakeholders (63%).

Realizado com quase 700 executivos, sendo mais da metade da alta liderança das companhias, majoritariamente de grande e médio portes, que empregam, juntas, 500 mil pessoas e faturam R$ 756 bilhões, o estudo identifica ainda uma clara tendência de crescimento na adoção de práticas ESG. O Panorama ESG 2024 , divulgado esta semana, mostra que 71% das empresas já estão implementando iniciativas sustentáveis – uma grande evolução em relação ao ano passado, quando 47% declararam estar nessa condição.

Dos pilares da sigla, o social é a prioridade para 72% dos executivos consultados. Depois, vem a governança (68%), seguida do pilar ambiental (66%).

Desafios: mensurar indicadores e ter uma cultura forte de ESG

Os desafios, no entanto, ainda são grandes. O relatório aponta que 40% dos consultados reportam dificuldades na mensuração de indicadores ESG. Além disso, a construção de uma cultura organizacional sólida é um obstáculo para 32%. Também são desafios notáveis a falta de recursos financeiros (30%) e de metodologia adequada (30%) e a ausência de uma visão estratégica (26%), entre outros (veja quadro abaixo):

Principais desafios da agenda ESG
Dificuldade de mensurar indicadores ESG 40%
Ausência de uma cultura forte de ESG 32%
Falta de recursos financeiros 30%
Falta de metodologia adequada 30%
Ausência de uma visão estratégica 26%
Alta complexidade das regulamentações 25%
Ausência de parcerias estratégicas 23%
Dificuldade de comunicação da agenda 22%
Falta de conhecimento interno 22%
Liderança não comprometida 14%
Fonte: Amcham e Humanizadas

Para 77% dos executivos participantes, a agenda ESG deve ser uma responsabilidade de CEOs, presidentes e VPs. Eles acreditam, porém, que o governo também deve liderar esse processo, conforme 67% dos entrevistados. De acordo com o relatório, o governo deve criar incentivos para pesquisa e desenvolvimento em sustentabilidade ambiental e priorizar a transição energética. Eles também destacaram a necessidade de facilitar o financiamento sustentável, entre outras questões.

Segundo o relatório, os resultados sugerem a urgência de integrar a sustentabilidade de forma mais profunda nas estratégias empresariais. Isso inclui a necessidade de desenvolver lideranças capacitadas, implementar políticas de governança transparentes e alinhar investimentos e avaliações de fornecedores com critérios ESG.

Como acelerar a agenda ESG

A pesquisa também questiona os executivos sobre como é possível acelerar a agenda ESG. De acordo com os resultados, a capacitação e o desenvolvimento da liderança e colaboradores (56%); considerar a sustentabilidade como estratégia de negócio (48%) e ter um orçamento dedicado para o investimento em iniciativas ESG (47%) são fatores críticos para o avanço e o sucesso da agenda.

Um dos maiores especialistas do tema, o consultor e professor britânico John Elkington destacou a importância da adoção e da manutenção das práticas ESG como instrumentos para a reputação e a estratégia das empresas em entrevista ao Reputation Feed, no final de março. “É verdade que muitas empresas entendem que agenda ESG pode ter um impacto bom ou ruim na reputação. E, pelo menos inicialmente, tentam lidar com isso a partir das relações governamentais e das relações públicas”, disse. “Mas, se é aí que elas param, eu acho que é um completo e total erro. Antes, costumava ser sobre questões como o perfil da sua empresa, a forma como os stakeholders viam você e se os clientes eram leais. No entanto, estamos vendo que, cada vez mais, as agendas ESG e de sustentabilidade estão impulsionando mudanças estruturais nas empresas.”


ENQUETE

As enchentes no Rio Grande do Sul tiveram algum impacto na imagem da sua empresa a ponto de levá-la a promover mudanças na gestão de reputação?

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

Avançar em diversidade é um imperativo moral, legal e econômico
Artigo
2 MIN.

Avançar em diversidade é um imperativo moral, legal e econômico

Pluralidade de perfis melhora o desempenho dos times, aumenta o engajamento dos profissionais e impulsiona a reputação da marca

Por Margareth Goldenberg
Leia mais
Consumidor busca marcas com propósito e suas extensões em experiências, diz CEO da Track&Field
Entrevista
10 MIN.

Consumidor busca marcas com propósito e suas extensões em experiências, diz CEO da Track&Field

Co-fundador da empresa de moda esportiva, Fred Wagner lança olhar sobre os novos tempos e o relacionamento com os clientes

Christianne Schmitt e Lucia Ritzel
Leia mais
Alexandre Silva:
Entrevista
9 MIN.

Alexandre Silva: “Você não compra reputação e nem a constrói da noite para o dia. É preciso conquistá-la”

Presidente do Conselho de Administração da Embraer fala sobre a relevância da reputação para as empresas e seus stakeholders

Lucia Ritzel

Leia mais
7 questões de sustentabilidade para prestar atenção em 2024
Curadoria ANK
3 MIN.

7 questões de sustentabilidade para prestar atenção em 2024

Andrew Winston, coautor do livro Net Positive, projeta cenário de desafios, mas com possibilidade de melhorias, em artigo na MIT Sloan Management Review

Redação Reputation Feed

Leia mais
COMENTÁRIO

Preencha o formulário abaixo para enviar seu comentário:

Confira a opinião de quem já leu este conteúdo:

(nenhum comentário)