Governança alinhada a compliance impacta a reputação

Empresas se valorizam ante stakeholders, garantindo relações estáveis e duradouras

Por Godofredo de Souza Dantas Neto

Ambiente empresarial também melhora com boas práticas – Imagem: Shutterstock

A valorização da governança alinhada ao compliance é recente no Brasil. Pode-se tomar como marco inicial de desenvolvimento a edição da Lei nº 12.846/2013, a Lei Anticorrupção. Embora recente, se pode perceber que é promissora, seja do ponto de vista da contribuição para a melhoria da qualidade ética do ambiente de negócios, seja no ganho de valor reputacional para as companhias.

É preciso compreender que o ganho de valor reputacional tem importância estratégica porque, ao mesmo tempo em que favorece a abertura de novos negócios e a atração de investimentos, gera valorização monetária da marca.

“Mecanismos e programas que não sejam efetivos, que constituem apenas marketing, não são suficientes para atrair ganhos reputacionais e, testados, tendem a gerar o efeito inverso.”

As companhias que têm uma boa estrutura de governança, incluindo nesse conceito os mecanismos de compliance – como adequação ética que envolve integridade, conformidade à legislação e transparência –, se beneficiam dos ganhos decorrentes. Assim como, aquelas que não se atentam para isso, perdem espaço de forma acentuada, principalmente quando expostas a fatos decorrentes de violações legais, ausência de compromisso ético ou descoberta de segredos indesejáveis.

Companhias inteligentes lidam com a dinâmica da governança e as normas de compliance com naturalidade e auferem os benefícios da qualidade institucional, mesmo porque percebem, com clareza, que os danos decorrentes dos desvios éticos, da inconformidade e da falta de transparência são muito superiores aos eventuais benefícios que a conduta inversa pode gerar.

Essas companhias, aderentes à boa governança e ao compliance, se valorizam frente aos stakeholders, garantindo relações estáveis e duradouras, seja com fornecedores, seja com consumidores, e são mais atrativas para investimentos. Por isso, se pode dizer que a adesão ao ambiente de governança e compliance é um ótimo investimento.

É importante observar que a efetividade e a eficácia procedimental da governança e do compliance são imprescindíveis para conferir credibilidade e solidez reputacional. Mecanismos e programas que não sejam efetivos e eficazes, que constituem apenas marketing, não são suficientes para atrair ganhos reputacionais e, quando testados, tendem a gerar o efeito inverso, pela explicitação da ineficiência.

O emprego da governança alinhada ao compliance é capaz de contribuir de forma decisiva para maximizar a atuação de uma companhia, notadamente pela sua valorização reputacional.

Godofredo de Souza Dantas Neto é advogado constitucionalista e presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial (IBDEE)


Os artigos assinados refletem a opinião dos autores


ENQUETE

CEOs devem se posicionar publicamente sobre temas relevantes da sociedade?

    PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

    Reputação, o compliance como caminho
    Artigo
    3 MIN.

    Reputação, o compliance como caminho

    Superação do paradigma de “fazer a coisa meio certa” ajuda na construção de modelo alinhado ao controle de riscos

    Por Alexandre Wunderlich
    Leia mais
    Reputação nos leva a um lugar com menos distorções
    Artigo
    2 MIN.

    Reputação nos leva a um lugar com menos distorções

    Viver em sociedade e com boa imagem é um desafio em tempos de mídia sociais

    Por Michel Z. Gralha

    Leia mais
    Desafios dos líderes corporativos pelo olhar de Vicky Bloch
    Entrevista
    9 MIN.

    Desafios dos líderes corporativos pelo olhar de Vicky Bloch

    Reputação não é herdada, é um acúmulo de coisas que se faz na vida, construída a partir da integridade, diz coach de CEOs

    Christianne Schmitt
    Leia mais
    COMENTÁRIO

    Preencha o formulário abaixo para enviar seu comentário:

    Confira a opinião de quem já leu este conteúdo:

    (nenhum comentário)