Confortável na zona de desconforto

Lições de recordista em maratonas que valem para o jornalismo profissional e como reflexão para líderes em tempos de transformação

Por Anik Suzuki

Eliud Kipchoge valoriza a jornada antes das marcas alcançadas – Foto: Shutterstock

“Estamos vivendo um tempo em que nos é possível superar o limite humano também no jornalismo profissional: a união de forças entre a velocidade e a capacidade da IA generativa com a nossa potência criativa, talento, empatia e capacidade de construir o futuro.”

Há algumas semanas, me aprofundei na história do queniano Eliud Kipchoge, considerado o maior maratonista de todos os tempos. Eu queria citá-lo em um seminário para lideranças no qual falaria sobre feitos extraordinários, que nos proporcionam realizar sonhos e superar marcas, mas nos exigem na mesma proporção.

Eliud é bicampeão olímpico (Rio 2016 e Tóquio 2020), campeão mundial em longas distâncias e vencedor das maratonas de Londres, Chicago, Berlim e Tóquio. Em Berlim, ele não apenas venceu as maratonas de 2018 e 2022, mas estabeleceu novos recordes mundiais: na primeira, completou os 42,195km em 2h01min39s e, na segunda, superou a si mesmo, completando a prova em 2h01min09s.

Em 2019, em uma prova não-oficial realizada em Viena, na Áustria, Eliud superou o que até então era considerado o limite humano para maratonas e se tornou o primeiro homem a completar o percurso em menos de duas horas: 1h59min40s.

Ao pesquisar sobre ele, percebi que, quando fala de si, Eliud valoriza menos as marcas alcançadas e dá mais ênfase à jornada. Ele demonstra orgulho e gratidão pelo caminho. Costuma falar sobre os fatores de sucesso que o trouxeram até aqui: autodisciplina, pensamento positivo, consistência, acreditar em si mesmo e, o que mais me chamou atenção, estar confortável na zona de desconforto: “aceitar a mudança e habituar-se a ela”.

O que me faz pensar que poucas atividades se conectam de maneira tão forte com esse tema como o jornalismo. Por si só, a rotina das redações é não ter rotina, pois os fatos não fazem agendamento prévio. Mas, me refiro às intensas mudanças geradas pela transformação digital, pelos novos hábitos e interesses dos públicos e, mais recentemente, pela Inteligência Artificial (IA). Os jornalistas, acreditem, estão em constante zona de desconforto, e, assim como Eliud, muitos sentindo-se confortáveis, estimulados e dispostos a pagar o preço de viver esta revolução.

Esse brilho no olho nasce da crença de que estamos vivendo um tempo em que nos é possível superar o limite humano também no jornalismo profissional: a união de forças entre a velocidade e a capacidade da IA generativa (sim, é incrível, mas ainda depende de nós para receber os inputs) com a nossa potência criativa, talento, empatia e capacidade de construir o futuro. Minha visão é que vem aí um jornalismo ainda melhor, o que também é uma ótima notícia para todos nós.


Anik Suzuki é CEO da ANK Reputation e membro do Conselho Editorial da RBS
anik@ankreputation.com.br


* Artigo publicado originalmente em Zero Hora em 29 de julho de 2023


ENQUETE

As enchentes no Rio Grande do Sul tiveram algum impacto na imagem da sua empresa a ponto de levá-la a promover mudanças na gestão de reputação?

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

O papel do líder na reputação da empresa
Artigo
3 MIN.

O papel do líder na reputação da empresa

Gestores têm de transmitir confiança para preservar a reputação da empresa e de líderes

Por Lorival Luz
Leia mais
Versatilidade, a metacompetência mais exigida de líderes corporativos
Curadoria ANK
3 MIN.

Versatilidade, a metacompetência mais exigida de líderes corporativos

Conclusão é de estudo publicado por pesquisadores na Harvard Business Review, da Universidade Harvard

Redação Reputation Feed
Leia mais
Superação de crises nos torna melhores, mais rápidos e mais fortes
Artigo
4 MIN.

Superação de crises nos torna melhores, mais rápidos e mais fortes

Em um mundo instantâneo e conectado digitalmente, o treinamento, o preparo e a busca de previsão, mesmo sobre o imponderável, ganham relevância

Por Ricardo Santin
Leia mais
Novas habilidades contribuem para jornada de reputação
Board
3 MIN.

Novas habilidades contribuem para jornada de reputação

Ser líder significa gerenciar situações que requerem posicionamento sobre questões da agenda da sociedade

Mariana Mondini
Leia mais
COMENTÁRIO

Preencha o formulário abaixo para enviar seu comentário:

Confira a opinião de quem já leu este conteúdo:

(nenhum comentário)