A contribuição do leitor

Assim como os jornalistas e os veículos de comunicação, nós, consumidores de informação, temos um papel fundamental ao fortalecer o jornalismo profissional. Por Anik Suzuki

Fontes confiáveis e leitura crítica, uma combinação benéfica para a cultura e a sociedade – Foto: Shutterstock

Quando, aos 13 anos, decidi que seria jornalista, era estimulada pelo meu pai – perfeccionista e leitor voraz – a questionar e debater informações que lia em jornais e revistas da época. Eu e meus irmãos nos acostumamos a ver ele telefonar para as redações para perguntar sobre dúvidas em relação a algo que lera em uma reportagem, apontar dados incompletos, às vezes errados, e fazer sugestões.

Tenho saudade dessa leitura crítica, alerta, que não se conforma com informações superficiais, pela metade ou duvidosas. Que não se contenta com o “ouvi dizer” e vai atrás de conteúdos críveis, confiáveis. Esse consumidor de notícias atento e exigente tem uma contribuição muito importante para o jornalismo profissional de qualidade.

Vivemos um momento espetacular, de abundância de conteúdos, que nos chegam em alta velocidade, com diversidade de fontes e múltiplos acessos. Todos nós temos hoje uma autonomia jamais pensada para nos comunicar, compartilhar e formar nossas opiniões. Podemos fazer a própria curadoria dos assuntos que nos interessam e consumi-los quando e como quisermos. Esse é o lado maravilhoso do mundo digital.

Assim como os jornalistas e os veículos de comunicação, nós, consumidores de informação, temos um papel fundamental ao fortalecer o jornalismo profissional

Porém, essas possibilidades estão estimulando uma cultura danosa, com perdas para a cidadania: estamos menos exigentes em relação ao que nos chega como notícia. Sem muita reflexão, confiamos e compartilhamos, bem-intencionados que somos. Falta tempo para ler, ouvir e assistir a tudo que gostaríamos, mas não podemos abrir mão da exigência da informação confiável e de qualidade que entra na nossa vida e, muitas vezes, orienta nossas decisões e dá subsídios para uma leitura do mundo e para formar opinião.

As notícias distorcidas ou falsas (fake news) devem ser combatidas por todos. Assim como os jornalistas e os veículos de comunicação, nós, consumidores de informação, temos um papel fundamental ao fortalecer o jornalismo profissional, questionando e sugerindo para aprimorar, nunca para ofender ou desprezar. Cada vez que optamos pelo jornalismo sério, de qualidade, quando incentivamos nossas famílias e amigos a buscar fontes confiáveis, quando compreendemos o processo de fazer jornalismo e contribuímos de forma crítica e construtiva em nome do reporte correto dos fatos, ganhamos todos.

Anik Suzuki é CEO da ANK Reputation

anik@ankreputation.com.br

*Artigo publicado na Zero Hora em 18 de fevereiro de 2023


ENQUETE

As enchentes no Rio Grande do Sul tiveram algum impacto na imagem da sua empresa a ponto de levá-la a promover mudanças na gestão de reputação?

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

Inteligência Artificial cria alertas para a reputação de empresas e líderes
Artigo
3 MIN.

Inteligência Artificial cria alertas para a reputação de empresas e líderes

ChatGPT provoca reflexão sobre os limites de seu uso e os riscos para empresas e seus líderes

Por Renata Afonso
Leia mais
Sobre fake news e haters
One to One
2 MIN.

Sobre fake news e haters

Ataques orquestrados, que se alastram, têm sua força no volume; por isso é preciso ter canais próprios organizados

Por Anik Suzuki
Leia mais
Vídeo: Intuição e disciplina dosam escrita de autobiografia
Board
4 MIN.

Vídeo: Intuição e disciplina dosam escrita de autobiografia

Nelson Sirotsky, publisher do Grupo RBS, empresa da qual é sócio e onde foi presidente por mais de 20 anos, conta a experiência de escrever o livro O Oitavo Dia

Clóvis Malta

Leia mais
COMENTÁRIO

Preencha o formulário abaixo para enviar seu comentário:

Confira a opinião de quem já leu este conteúdo:

(nenhum comentário)