Anik Suzuki diz que empresas avançaram, mas precisam evoluir na gestão de crise

Em entrevista para Observatório da Comunicação de Crise, CEO da ANK analisa posicionamento de empresas e líderes e aponta caminhos para enfrentar as ameaças da jornada reputacional

Crises subestimadas podem causar prejuízos enormes e crises superestimadas têm chance produzir custos significativos, afirma Anik – Foto: Rodrigo Rodriggss

Pressionadas a buscar mais prevenção contra ameaças reputacionais intrínsecas a uma sociedade hiperconectada e com hábitos e comportamentos capazes de mobilizar a opinião pública rapidamente, as empresas brasileiras evoluíram com o fortalecimento das áreas de compliance, riscos corporativos e reputação. No entanto, as corporações ainda carecem de visão sistêmica sobre o impacto da ausência de uma estratégia para riscos na gestão de reputação, alerta a CEO da ANK Reputation, Anik Suzuki.

Segundo a consultora, também existe espaço para avançar na conscientização, no treinamento e na responsabilização dos times, afirmou em entrevista ao Observatório da Comunicação de Crise (OBCC), projeto integrado por pesquisadores de instituições de ensino superior brasileiras – UFSM, UFRGS, USP e Cásper Líbero – e portuguesas – UMinho e UBI.

Anik alerta que, no dia a dia das lideranças, não é incomum que crises sejam subestimadas ou intercorrências sejam supervalorizadas. “No primeiro caso, os prejuízos podem ser enormes. E no segundo, os custos”, afirma.

Outro tema tratado foi o efeito da superexposição das empresas e das pessoas, fenômeno relacionado à sociedade da informação e da hiperconexão. “O fim da fronteira entre o público e o privado aumenta a possiblidade de que as organizações e figuras públicas sejam flagradas em suas incoerências e inconsistências”, observa. “Então, a melhor proteção é abraçar a verdade, a consistência, a coerência, o walk the talk em nossos posicionamentos.”

De acordo com Anik, a empresas estão mais conscientes com os riscos e efeitos de comportamentos digitais como a cultura do cancelamento. Avalia, porém, que há mais cautela entre líderes e porta-vozes, bem como gestores dos canais digitais de marca, para se expor, gerando perda de velocidade e uma comunicação de conteúdos pasteurizada.

“O melhor antídoto para o momento em que vivemos é ter uma cultura de reputação forte, ou seja, cultivar relacionamentos de confiança, ganha-ganha, e posicionar-se com clareza, consistência e recorrência”, afirma. E sugere: “se você não contar a sua história, não controlar a sua própria narrativa, se não der a oportunidade de as pessoas saberem quem você é, o que pensa e no que acredita, alguém fará isso por você.”

Clique aqui para ler a entrevista na íntegra.



ENQUETE

As enchentes no Rio Grande do Sul tiveram algum impacto na imagem da sua empresa a ponto de levá-la a promover mudanças na gestão de reputação?

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

Toda crise um dia já foi um risco
One to One
2 MIN.

Toda crise um dia já foi um risco

Gerenciar riscos exige expertise, investimento e treinamento

Por Anik Suzuki
Leia mais
Rogério Melzi: “Precisamos trabalhar a reputação nos anos de bonança”
Entrevista
7 MIN.

Rogério Melzi: “Precisamos trabalhar a reputação nos anos de bonança”

Conselheiro e gestor de empresas de áreas fundamentais, como educação e saúde, fala sobre as perspectivas em um cenário econômico adverso e em um momento de polarização

Christianne Schmitt e Lucia Ritzel
Leia mais
Reputação nos leva a um lugar com menos distorções
Artigo
2 MIN.

Reputação nos leva a um lugar com menos distorções

Viver em sociedade e com boa imagem é um desafio em tempos de mídia sociais

Por Michel Z. Gralha

Leia mais
Por que reputação é estratégica em momentos difíceis
Board
5 MIN.

Por que reputação é estratégica em momentos difíceis

Crises fazem parte da trajetória das empresas, mas sobrevivem e crescem as que contam com reputação forte

Lucia Ritzel
Leia mais
O que você precisa saber sobre ameaças reputacionais para proteger sua empresa
Board
3 MIN.

O que você precisa saber sobre ameaças reputacionais para proteger sua empresa

Medidas preventivas e planos de contingência são estratégicos

Redação Reputation Feed
Leia mais
COMENTÁRIO

Preencha o formulário abaixo para enviar seu comentário:

Confira a opinião de quem já leu este conteúdo:

(nenhum comentário)