Qual será sua reputação na era da Inteligência Artificial?

Prós e contras da nova tecnologia mexem com todos nós e como a regulamentação pode torná-la benéfica no Brasil

Por Carol Conway

Consulta pública aberta à ampla participação pretende discutir a regulamentação da IA no Brasil – Foto: Shutterstock

Muito se tem falado sobre inteligência artificial. Além de comentar o assunto, parece que estamos consumindo informações e dados sobre a IA, mas não opinando sobre o que queremos dela. A tecnologia fará parte inseparável do cotidiano, trazendo impacto para a vida das pessoas – com risco de afetar a reputação de empresas, governos e pessoas.

A relação entre reputação e tecnologia não é nova. A comunicação vem evoluindo muito em seu alcance, especialmente nas últimas duas décadas. Passou de um sistema no qual um emissor falava para muitos receptores (como no caso dos jornais, da rádio e da TV) para um em que emissores e receptores se comunicam bi, tri ou pluridirecionalmente, graças à Internet. Esses sistemas são tidos como base, não apenas para a construção da reputação de pessoas físicas e jurídicas, mas também como forma de relacionamento com elas.

No caso da inteligência artificial, essas regras ainda serão moldadas e a dinâmica deste mercado será definida. Mas, aparentemente, sobre isso, estamos apenas funcionando como receptores de informações, evitando (ou mesmo sendo desincentivados a) ter posicionamentos individuais. No entanto, isso pode e deve mudar a partir de agora. A Abranet e o ITS juntaram-se às lideranças de vários setores no Conselho de Inteligência Artificial e Sociedade (CIAS) e foi lançada uma consulta pública aberta à ampla participação para discutir a regulamentação da inteligência artificial no Brasil. O site da consulta é: https://www.oquequeremosdaia.com.br/

A pergunta central é o que o Brasil quer da inteligência artificial? Por Brasil, nos referimos a todos nós. Com essa resposta, a segunda fase da consulta irá redigir um modelo de lei para a inteligência artificial que reflita as necessidades e os anseios do país nessa área, conforme consensos forem sendo alcançados. O espaço já está aberto a contribuições. Queremos ouvir pessoas, empreendedores e iniciativas sociais (dentre outras) para mudar essa lógica de que devemos ser consumidores do futuro tecnológico que nos é apresentado.

Sabemos que a reflexão nem sempre é fácil, mas precisamos que esse movimento colaborativo atualize nosso papel perante a tecnologia, posicione o Brasil na web 3.0 de forma ativa e produza legislação assertiva, capaz de favorecer os negócios e pessoas no país. 

Os prós e contras da tecnologia

Segundo reportagem da revista Time, a IA é a revolução mais importante desde a criação das mídias sociais. Hugh Forest, copresidente e diretor de programação do SXSW, também levantou a questão em março de 2024: “Estou muito animado com as possibilidades da IA. Mas também estou extremamente apreensivo quanto às possibilidades negativas. Governos precisam se envolver para fornecer diretrizes e orientações. Eu não sei como essa regulamentação deve ser, mas há muitas mentes brilhantes que podem descobrir esses detalhes”, afirmou. 

Quem trabalha na área acredita que é só o começo: a inteligência artificial vai reorientar o modo como a gente trabalha e se engaja com o mundo. Entre as vantagens, estão destravar a criatividade e as descobertas científicas e permitir à humanidade ativar coisas inimagináveis – previsões da PwC dizem que tudo isso pode turbinar a economia global até mais de US$ 15 trilhões em 2030. O problema, para quem estuda o assunto, é repetir o maior pecado da rede social: priorizar crescimento e não segurança, espalhando desinformação e fortalecendo discursos de ódio.

Precisamos das mentes brilhantes que vão utilizar as tecnologias para encontrarmos o ponto ótimo entre todas essas variáveis. Não cabe mais depender apenas dos reguladores como criativos de soluções. Como Forest também disse, apesar da imensa maioria das palestras do SXSW afirmar que a IA nos tornaria mais criativos, é difícil ter certeza de que isso acontecerá se perdermos o que significa ser humano.

Nessa era de desafios complexos, precisamos usar a escala da capacidade coletiva para desenhar o futuro. Afinal, para quem não sabe aonde vai, qualquer lugar serve. Você concorda que pensar nas consequências para sua reputação após a definição de um modelo regulatório será muito mais complexo?

Carol-Conway-Abranet-Artigo - Inteligencia-Artificial-Ank-Reputation-Reputation-Feed

Carol Conway é presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet).


Os artigos assinados refletem a opinião dos autores.

ENQUETE

Quanto você considera que as Eleições 2024 representam riscos de reputação para as empresas?

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

Avanço da Inteligência Artificial acende debate sobre riscos à reputação
Board
7 MIN.

Avanço da Inteligência Artificial acende debate sobre riscos à reputação

Especialistas alertam para cuidados necessários no uso da ferramenta tecnológica por empresas

Redação Reputation Feed
Leia mais
Inteligência Artificial cria alertas para a reputação de empresas e líderes
Artigo
3 MIN.

Inteligência Artificial cria alertas para a reputação de empresas e líderes

ChatGPT provoca reflexão sobre os limites de seu uso e os riscos para empresas e seus líderes

Por Renata Afonso
Leia mais
O que você precisa saber sobre ameaças reputacionais para proteger sua empresa
Board
3 MIN.

O que você precisa saber sobre ameaças reputacionais para proteger sua empresa

Medidas preventivas e planos de contingência são estratégicos

Redação Reputation Feed
Leia mais
Fake news e desinformação, tema que mais preocupa os líderes globais
Curadoria ANK
3 MIN.

Fake news e desinformação, tema que mais preocupa os líderes globais

Relatório de Riscos do Fórum Econômico Mundial aponta principais ameaças a curto e longo prazos

Redação Reputation Feed

Leia mais
COMENTÁRIO

Preencha o formulário abaixo para enviar seu comentário:

Confira a opinião de quem já leu este conteúdo:

(nenhum comentário)