What should the board focus on to improve governance?

Seven important points for boards to focus on

Reputation Feed Writing

Governança corporativa forte contribui para a reputação das empresas – Imagem: Schutterstock

Quais devem ser os focos dos conselhos de administração para melhorar a governança corporativa das empresas? São sete os pontos essenciais, elenca, em artigo, Suzana Sierra, CEO da BH Compliance. A empresa norte-americana usa blockchain para medir a eficácia da governança corporativa nas organizações. A seguir, veja as áreas e por que têm de ser prioritárias, segundo o texto “Seven areas for boards to focus on to improve corporate governance”, publicado na Forbes:

1. Independência

A independência ajuda a prevenir possíveis conflitos de interesse, melhorar a objetividade e a imparcialidade na tomada de decisões e a encontrar novas perspectivas para fazer decisões estratégicas – o que ajuda a garantir interesses de curto e longo prazos da organização. Para isso, deve-se garantir um número significativo de executivos sêniores independentes e limites de mandato para cargos de gestão. Avaliações periódicas do modelo de independência também são importantes.

2. Diversidade, equidade e inclusão

A diversidade, a ser entendida com base nos mais diferentes critérios, como idade, gênero e raça, permite multiplicidade de experiências, contribuindo para a inovação e a flexibilidade na organização.

3. Avaliação de desempenho

Melhora a eficácia e fortalece a governança porque contribui para identificar pontos fortes e fracos do conselho, além de demonstrar um empenho para a melhoria contínua. Também estimula os líderes a reverem a estrutura, a dinâmica e os processos de tomada de decisão do conselho, bem como favorece a confiança dos stakeholders. O processo pode ser feito por autoavaliação ou avaliação externa.

4. Remuneração executiva

Além de os salários e os benefícios de CEOs e C-Levels estarem sob holofotes por serem considerados excessivos ante à crise econômica global, também passa por um momento de maior escrutínio a própria definição de objetivos, os quais já não podem mais ser avaliados apenas pela concretização a curto prazo, mas ainda pela forma que são alcançados. Assim, as empresas devem implementar um meio de remuneração justo e abrangente, que incentive tanto a produtividade (curto prazo) quanto a ética (longo prazo).

5. Governança dos stakeholders

Os interesses das partes envolvidas – clientes, colaboradores, fornecedores, comunidades, acionistas, entre outros – devem ser considerados quando o conselho e o C-Level determinam os valores, a estratégia e a direção geral da empresa. Por quê? O bom relacionamento com os stakeholders é essencial para determinar o sucesso do negócio. Isso deve ser feito com supervisão e envolvimento ativo do conselho de administração, que sempre tem de considerar o impacto que suas ações estratégicas de curto e longo prazos podem ter sobre esses grupos.

6. Cibersegurança

Ataques cibernéticos trazem perdas financeiras significativas, danos à reputação, exposição de informações estratégicas, entre outras graves consequências, não só para a empresa e seus colaboradores, como para clientes e fornecedores. Por isso, o conselho tem de garantir que a empresa tenha planos de segurança e estimule uma cultura de prevenção para evitar os riscos relacionados aos crimes cibernéticos.

7. Sustentabilidade

As crescentes exigências de reguladores, investidores e consumidores impactam nos resultados de empresas que não se comprometem com os critérios ESG. As empresas devem considerar as práticas como uma questão estratégica, a fim de se posicionar e mitigar riscos. E cabe aos conselhos de administração enfatizarem agendas claras e medirem a eficácia dos resultados dessas ações.

. Clique aqui para ler o artigo


SURVEY

Should CEOs take a public stance on relevant societal issues?

    PUBLICATIONS RELATED

    Rogério Melzi: “Precisamos trabalhar a reputação nos anos de bonança”
    Interview
    7 MIN.

    Rogério Melzi: “We need to work on reputation in good years”

    Advisor and manager of companies in fundamental areas, such as education and health, talks about the perspectives in an adverse economic scenario and in a moment of polarization

    Christianne Schmitt and Lucia Ritzel
    read more
    Reputação, o compliance como caminho
    Article
    3 MIN.

    Reputation, compliance as a path

    Overcoming the “doing the right thing” paradigm helps build a model aligned with risk control

    By Alexandre Wunderlich
    read more
    5 ações de ESG para conselhos de administração
    curated by ANK
    2 MIN.

    5 ESG actions for boards of directors

    World Economic Forum article discusses how the board can ensure the acronym is included in everything the organization does

    Reputation Feed Writing
    read more
    A nova abordagem dos conselhos de administração sobre o impacto da reputação
    Article
    2 MIN.

    Boards' New Approach to Reputation Impact

    Strategic forums begin to address the issue in a more explicit and systematic way

    By Andiara Petterle
    read more
    COMMENT

    Fill out the form below to send your comment:

    Check out the opinion of those who have already read this content:

    (No comment)